imprimir

Próxima Estação: Utopia – uma viagem pelo Instituto Inhotim

As propostas da arte contemporânea não agradam a todas as pessoas. Em torno do assunto geram-se “torcidas”, desorganizadas e com posições radicais, quase instintivas. Ou são 100% a favor da arte contemporânea ou são 100% contra.

Uma visita ao Inhotim, provavelmente, terá um efeito profundo entre os céticos e reticentes, aqueles que continuam achando que a arte contemporânea em nada contribui para o enriquecimento da História da Arte e, consequentemente, para o patrimônio cultural da humanidade.

Apesar da gentileza e excelente treinamento dos guias, será difícil visitar todo o complexo em um só dia. O ideal é reservar dois dias e aproveitar o transporte interno, operado por veículos elétricos, que circulam por toda a área.

Passear por aquele museu a céu aberto, contemplar as obras de seu acervo e ficar indiferente, isso certamente não acontece a ninguém. Seja perante as imensas obras, imponentes e espetaculares, ou diante do significado dos trabalhos de menor tamanho físico, parece-me impossível evitar a nossa comoção perante o talento, a inventividade e o “sentimento” estético dos artistas - nacionais e estrangeiros - ali representados.

Além disso, o projeto tem “alma”e foi realizado com sensibilidade, misturando obras primas de seres humanos com obras primas da natureza, estas reunidas em um Jardim Botânico que possui a mais bela coleção de palmeiras que existe no planeta. E o Projeto completa sua visão do mundo não esquecendo a ética relacionada à cidadania. Em uma rua do parque vêm-se grupos de estrangeiros, em outra centenas de crianças de escolas públicas, tudo se passa naquele cenário idílico, mas organizado, romântico mas racionalizado, deixando em nossos espíritos uma dúvida: onde acaba a realidade e começa a utopia?


Adriana Varejão (vista da galeria), foto Eduardo Eckenfels




Cildo Meireles, Desvio para o vermelho, foto Pedro Motta.




Doug Aitken, Sonic Pavillion, foto Pedro Motta. No interior do bloco envidraçado, através
de um microfone colocado a mais de 200 metros de profundidade, pode se escutar uma série
de ruídos contínuos, como roncos, que desmentem a aparente quietude do ventre da terra.




Lygia Pape, Ttéia, exterior, foto Daniela Paoliello




Lygia Pape, Ttéia, foto Daniela Paoliello. Num ambiente confinado e surreal,
os jogos de luzes e tons dourados se aliam para criar um espaço de irresistível sedução.



Matthew Barney, De Lama Lâmina, foto Pedro Motta,
um gigantesco trator carrega uma árvore imaculadamente branca, que se desfaz pelo caminho.



Miguel Rio Branco, vista da galeria, foto Pedro Motta

 

A concepção estética do conjunto baseia-se em duas opções primordiais: os jardins têm o dna de Burle Marx, como se o espírito deste grande artista pairasse sobre aquele milhão de metros quadrados; quanto aos pavilhões de exposição de obras de arte, são claramente influenciados pelo “brutalismo”, que dominou os inícios da moderna arquitetura brasileira, mostrando a dureza e simplicidade dos materiais utilizados, sobretudo do concreto. Curiosamente, na construção destes pavilhões não houve concessões a qualquer “redução” ecológica.

Mas, antes de tudo, está presente o espírito do idealizador do projeto, Bernardo Paz, que num ato de vontade, acompanhado por patrocinadores esclarecidos, criou aquele que é, provavelmente, o maior projeto de exposição de arte contemporânea do mundo.

Algumas imagens do Inhotim:



O QUE É E COMO FUNCIONA O INHOTIM
(Informações disponibilizadas pelo Instituto Inhotim)

Inhotim é um lugar em contínua transformação, onde a arte convive em relação única com a natureza. Situado em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte (MG), Inhotim ocupa uma área de 100 ha de jardins botânicos com uma extensa coleção de espécies tropicais raras e um acervo artístico de relevância internacional. 

Inhotim foi apresentado pela primeira vez ao público em setembro de 2004 e, no ano seguinte, iniciou uma agenda de visitas para atender à rede escolar da região de Brumadinho e a grupos específicos. Em outubro de 2006, com estrutura completa para sua inauguração ao grande público, a instituição abriu as portas para visitas em dias regulares, sem a necessidade de agendamento prévio.  

Inhotim é uma instituição comprometida com o desenvolvimento da comunidade onde está inserida. Sua coleção botânica e acervo de arte contemporânea são utilizados sistematicamente para projetos educativos e para a formação de profissionais de áreas ligadas à arte e ao meio ambiente. Inhotim também participa ativamente da formulação de políticas para a melhoria da qualidade de vida na região, seja em parceria com o poder público ou com atuação independente.

Todas as atividades desenvolvidas no Inhotim são promovidas pelo Instituto Inhotim - uma entidade privada, sem fins lucrativos e qualificada pelo Governo Federal e pelo Governo do Estado de Minas Gerais como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip).

Arte Contemporânea
O acervo do Inhotim vem sendo formado desde meados de 1980, com foco na arte produzida internacionalmente dos anos 1960 até os nossos dias. Pintura, escultura, desenho, fotografia, vídeo e instalações de renomados artistas brasileiros e internacionais são exibidos em galerias espalhadas pelo Jardim Botânico.

Os espaços expositivos são divididos entre treze galerias dedicadas a obras permanentes, outras quatro para obras temporárias e diversas obras de arte espalhadas pelos jardins do Inhotim. Bienalmente uma nova mostra temporária é apresentada, com o intuito de divulgar as novas aquisições e criar reinterpretações da coleção, e novos projetos individuais de artistas são inaugurados, fazendo de Inhotim um lugar em constante evolução.

As galerias permanentes foram desenvolvidas especificamente para receber obras de Tunga, Cildo Meireles, Miguel Rio Branco, Hélio Oiticica e Neville D’Almeida, Adriana Varejão, Doris Salcedo, Victor Grippo, Matthew Barney, Rivane Neuenschwander, Valeska Soares, Janet Cardiff & Gerorge Miller e Doug Aitcken. As galerias temporárias – Lago, Fonte, Praça e Mata - têm cerca de 1 mil m² cada uma e contam todas elas com o mesmo tipo de arquitetura, com grandes vãos que permitem aproveitamento versátil dos espaços para apresentação de obras de vídeo, instalação, pintura, escultura etc.

                                                              
Jardim Botânico
A área total do Jardim Botânico Inhotim, em constante crescimento, está distribuída em seus dois principais acervos: Reserva Natural, com 300 hectares de mata nativa conservada, e área de visitação, com 100 hectares de jardins de coleções botânicas e cinco lagos ornamentais que somam 3,5 hectares de área.

Mas os jardins de Inhotim não são somente um local de contemplação estética. É neste contexto de rara beleza que Inhotim realiza estudos florísticos, catalogação de novas espécies botânicas, conservação ex situ e uso paisagístico de espécies como forma de sensibilização popular pela preservação da biodiversidade.

O local tem como diretrizes a conservação dos remanescentes florestais pertencentes aos biomas Mata Atlântica e Cerrado; resgate, ampliação e manutenção de coleções botânicas; emprego de técnicas sustentáveis de manejo; elaboração e desenvolvimento de programas socioambientais.

Atualmente são cultivadas, no jardim botânico do Inhotim, mais de 4.500 espécies de plantas. O acervo botânico é bem representado por grupos com valor paisagístico, sendo uma das maiores coleções brasileiras de palmeiras, com mais de 1.300 espécies crescendo nos viveiros e jardins. Também expressiva é a coleção de Araceae, família que inclui de imbés a antúrios e copos-de-leite, com cerca de 450 espécies, a maior coleção viva desta família no hemisfério sul. As orquídeas estão representadas por cerca de 334 espécies. Ao todo, são mais cerca de 165 famílias botânicas, 851 gêneros e aproximadamente 3.000 espécies de plantas vasculares. Tamanha diversidade de espécies vegetais fazem do Inhotim um espaço único, tornando-o um excelente ambiente para a difusão de valores ambientais.

Recentemente foi aberto à visitação o Viveiro Educador, local onde se cultiva grande parte da coleção botânica da instituição. O espaço é formado por um complexo horticultural destinado a pesquisas científicas, manutenção da coleção botânica e atividades educacionais. O Viveiro Educador Inhotim abrange uma área de aproximadamente 25.000 m2, e seu acervo conta com mais de 4800 espécies, distribuídas em 167 famílias botânicas, dentre as quais se destacam Arecaceae (família das palmeiras), Araceae (imbés, antúrios, copo-de-leite) e Orchidaceae (orquídeas).

Além do acervo botânico, considerado a maior coleção de plantas vivas do Brasil, o local oferece também uma visita sensorial pelos jardins construídos na entrada do viveiro. Intitulado de ‘Jardim dos Sentidos’, o espaço reúne, em forma de mandalas, exemplares de plantas medicinais, aromáticas e tóxicas. O Viveiro Educador abriga também o ‘Bosque da Juçara’, local onde foi recriado um ambiente de Mata Atlântica, disposto entre árvores remanescentes da vegetação original e ornamentado essencialmente por espécies nativas desse bioma. Destaque para o palmito-juçara (Euterpe edulis) e o jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra), espécies características da Mata Altântica e ameaçadas de extinção, além de pteridófitas, cactáceas, pequenos bambus e aráceas.

Outro espaço de visitação do Viveiro Educador é a Estufa Equatorial, local com condições de temperatura e umidade controladas que permite o cultivo de espécies tropicais. É neste local que está sendo cultivada a famosa “Flor Cadavér”, cientificamente denominada Amorphophallus titanum. A exótica espécie floresceu, pela primeira vez na América Latina, em Inhotim, no ano passado. O fenômeno, que chamou a atenção do mundo inteiro, demorou 10 anos para acontecer e durou apenas três dias.

Ações Educativas
Através da ação educativa existente no museu, cerca de 1500 alunos das redes particular e pública de ensino de Brumadinho e da Grande Belo Horizonte visitam Inhotim toda semana. Os programas educativos promovem uma série de ações para aproximar a sociedade dos valores da arte, do meio ambiente, da cidadania e da diversidade cultural, atuando em duas frentes - Arte Educação e Educação Ambiental.

Entre os programas do Educativo Inhotim, destaca-se o ‘Laboratório Inhotim, Brumadinho’. O programa promove o conhecimento da arte por jovens da rede escolar de Brumadinho e cidades vizinhas e fomenta a interação dos participantes com a produção artística contemporânea presente no museu, assim como com as diferentes manifestações da cultura local.

O Inhotim também oferece ao visitante um programa de visita em horários e locais preestabelecidos.
- A visita temática de arte proporciona um encontro entre o educador e o visitante para discussão sobre artistas e obras de arte do acervo. A visita propõe um recorte conceitual das obras em exposição, e pode ter como pontos de partida uma galeria, um artista, ou um roteiro específico dentro do parque. Com duração média de 1h, acontece aos sábados, domingos e feriados, às 15h.
- A visita temática ambiental permite o visitante transitar pelos jardins, conhecer parte da coleção botânica disposta paisagisticamente, além de apreciar os lagos ornamentais, as aves aquáticas e outros elementos que compõem esse espaço. Com duração de 1h30, acontece aos sábados e domingos, às 10h30 (saída da Recepção) e às 14h30 (saída do Tamboril).
- A visita panorâmica proporciona uma visão geral sobre a dinâmica do museu. Ao percorrer uma área do parque, a visita dá ênfase ao projeto paisagístico e às obras dispostas nos jardins do Inhotim. Com duração média de 1h30, a visita panorâmica acontece de terça a domingo e feriados, às 11 e às 14 horas. O ponto de partida é a recepção de Inhotim. 
-A visita ao Viveiro Educador é um passeio pelo novo espaço de 25 mil metros quadrados com uma conversa e reflexão a partir de plantas de diversas partes do mundo em um espaço destinado à manutenção do acervo botânico, pesquisa científica, conservação e educação ambiental. Com duração média de 1h, a visita ao Viveiro Educador acontece aos sábados e domingos às 11h30 e 15h30, saindo da recepção.

Ações sociais
Inhotim acredita que seu papel na comunidade extrapola a esfera de agente cultural e que é necessário criar e potencializar estratégias de desenvolvimento local, preservação do patrimônio e do meio ambiente, geração de renda, turismo, educação, esporte, saúde e infra-estrutura de Brumadinho.

Por meio da Diretoria de Inclusão e Cidadania, a instituição participa ativamente da formulação de projetos para a melhoria da qualidade de vida na região. Em 2008, o Inhotim, em parceria com mais de 30 representantes culturais, bandas, grupos musicais, músicos independentes, associações e estabelecimentos culturais de Brumadinho, criou o projeto ‘Brumadinho: uma cidade musical’. O programa promove a potencialização das ações que envolvem a música e as manifestações culturais da cidade. Um bom exemplo é o Coral Inhotim Encanto e a Iniciação Musical desenvolvidos com as quatro bandas existentes no município.

Os Corais Inhotim Encanto Infantil, Juvenil e Adulto reúnem 100 pessoas, moradoras do município de Brumadinho, e é uma parceria entre o Inhotim, Fundação Madrigal Renascentista, Prefeitura de Brumadinho e a Corporação Musical Banda São Sebastião.

Gastronomia
Em Inhotim, os visitantes contam com várias opções de alimentação, que vão de lanches rápidos a pratos mais elaborados.

O Restaurante Inhotim possui um ambiente agradável e integrado aos jardins e ao acervo de arte contemporânea da instituição. O cardápio é formado por um excelente e variado bufê de saladas, pratos à lá carte, extensa carta de vinhos, além de uma mesa de sobremesas com doces diversos.

Idealizado pelo designer Paulo Henrique Bicalho, o Ganso, o bar do Inhotim é um espaço agradável para tomar um drink com os amigos e apreciar a deliciosa culinária internacional. No cardápio, pratos à lá carte, drinks, petiscos e lanches mais leves. O Bar é uma verdadeira galeria de arte com peças assinadas por renomados designers brasileiros, iluminação especial e ambientação que remete aos anos 50 e 70.

Localizada no Centro de Educação e Cultura Burle Marx, a cafeteria é o ambiente ideal para saborear um delicioso café, especialidades da casa.  O Café do Teatro também possui diversas opções de bebidas quentes e geladas, sanduíches, salgados e doces.  

O Restaurante Oiticica está localizado próximo à obra Penetrável Magic Square # 5, De Luxe. O Buffet é a quilo e o menu inclui saladas e opções de caçarolas quentes. O restaurante funciona de quarta a domingo, das 12h às 16h30.

O público do Inhotim pode ainda conferir outros espaços gastronômicos como a Pizza, Cachorro quente e também lanchonetes localizadas na Galeria Fonte, Galeria True Rouge, e na Galeria Miguel Rio Branco. No menu, sanduíches, salgados, cachorro quente, pão de queijo, suco, refrigerante, etc.

INFORMAÇÕES GERAIS

Horário de visitação
Terças, quartas, quintas e sextas-feiras, das 9h30 às 16h30
Sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30

Transporte Saritur
Saída da Rodoviária de Belo Horizonte de terça a domingo, às 9h (plataforma F2) e retorno às 16h30 durante a semana e 17h30 aos finais de semana e feriados.

Localização
Inhotim está localizado no município de Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte (aproximadamente 1h15 de viagem). Acesso pelo km 500 da BR-381 – sentido BH/SP.

Pode-se chegar ao Inhotim também pela BR-040 (aproximadamente 1h30 de viagem). Acesso pela BR-040 - sentido BH/Rio, na altura da entrada para o Retiro do Chalé.

Lojas
As Lojas do Inhotim, localizadas na entrada do Instituto, oferecem ítens de decoração, utilitários, livros, brinquedos, peças de cerâmica, vasos, plantas e produtos da culinária típica regional.

Entrada
Às terças-feiras a entrada é gratuita. Quartas e quintas-feiras, R$ 20. Sextas, sábados, domingos e feriados, R$ 28. (Meia-entrada válida para estudantes identificados e maiores de 60 anos). Crianças de até cinco anos não pagam.

Informações
www.inhotim.org.br
info@inhotim.org.br
31 3254 5440 /31 3227 0001 / 31 3571 6638 / 31 3223 8224

Informações para imprensa
Isabela Marschner – isabela@inhotim.org.br
31 3571 0253 - 31 9765 3870

Renata Amorim – renata.amorim@inhotim.org.br
31 3571 0253 - 31 9765 2470