Retornar a primeira página

MILL, Joseph
Caricaturista, desenhista, ilustrador, litógrafo, retratista, paisagista.
(?: França - 1879?: Rio de Janeiro, RJ).

Veio para o Brasil, fixando-se no Rio de Janeiro. Sua presença na imprensa não deixou vestígios a partir de 1978. A censura da época restringia a crítica política e de costumes. Os chargistas chamavam para si a responsabilidade de denunciar o que consideravam errado. Mill colaborou ao longo de anos em periódicos humorísticos, como o Bazar Volante e Figaro, entre 1863 – 78. Na década de 1870 surgiram as revistas: Ba-ta-Clan (1871), dirigida pelo francês Charles Berry, onde Mill trabalhou, junto com seu conterrâneo, também caricaturista, Michon; no Mequetrefe (1875 – 93).
Mill acompanhou famosos jornalistas da época, como Antônio Alves do Vale, Pereira Netto, Aluisio de Azevedo e Cândido de Faria.
1862 - No Charivari, surgiram as primeiras charges em que o imperador Dom Pedro II apareceu com a cabeça trocada por uma castanha de caju, o que acabou sendo acompanhado por outros caricaturistas. Herman Lima atribuiu a Joseph Mill a criação desta figura.


Fontes
CAVALCANTI e Ayala. Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos. MEC/INL, 1973-77.
DUQUE-ESTRADA, Luis Gonzaga. Caricatura de costumes. Revista Renascença, Nº 1, Rio de Janeiro, 1904.
LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. p. 324. Artlivre, Rio de Janeiro, 1988.
PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 1969.

 

RMS